Pensamentos e mudanças no blog de resenhas

Nunca pensei que diria isso, mas estou pensando em mudar o meu estilo de escrever resenhas de filmes e séries. Eu nunca escrevi resenhas críticas como as de profissionais da área, e nunca tive essa intenção. Sempre escrevi de modo mais pessoal, quase sempre em primeira pessoa, sempre dando a minha opinião de forma clara. Meus textos são todos pessoais, são a minha impressão e minha opinião sobre o que eu vi. Não gosto de ler resenhas muito rebuscadas, como acontece muito nas resenhas do Omelete (principalmente as de Hessel e Borgo), por não conseguir entender o que eles realmente acharam do filme até ver a nota que eles deram. Isso porque a crítica profissional deles é um texto tão elaborado e formal, que parece não dizer nada com nada. Eu não quero escrever assim, mas também estou sentindo a necessidade de mudar o meu estilo e sair do total informalismo. Não é que vou deixar de dar minha opinião pessoal de forma clara, e nem deixar de usar a primeira pessoa num texto, mas percebo que tenho que escrever textos mais sucintos e objetivos. Minhas resenhas de séries são sempre grandes, sempre tenho muitas coisas para falar da série inteira. Às vezes comento todos os grandes acontecimentos e o comportamento de todos os personagens. Eu gosto de escrever assim, externando todas as minhas impressões, mas não sei se teria paciência para ler uma resenha escrita dessa forma, se fosse escrito por outra pessoa. Quando estou na internet e vejo que o texto que estou para ler é grande, me dá logo preguiça. Se eu realmente estiver interessado em ler aquilo, respiro fundo e vou, mas se não for de grande interesse de verdade, desisto. Eu não quero que as pessoas façam isso com as minhas resenhas. Daí a necessidade de mudança.

Mas mudar o estilo de escrita não é uma coisa das mais simples. Se eu quero escrever mais resumidamente, preciso de mais conhecimentos técnicos sobre filmes e cinema (só sei o básico dos básicos, que todo mundo que acompanha as notícias e resenhas de outros críticos já sabem), para não ficar só refém da minha opinião pessoal e para poder dar alguma profundidade ao texto. Isso não é fácil.

Um outro pensamento que estou tendo sobre o Mundo Geek é em excluí-lo e achar outro lugar para postar as resenhas, porque faz dois anos que tenho esse blog e não consegui fazê-lo crescer em número de visitas e leitores. Eu acompanho um crítico que fez isso e foi bem sucedido. É Vinicius Machado, que escreve a coluna Sala Sete, que faz parte do Trendr. Ele escreve muito bem. Em uma conversa no Twitter no começo do ano ele falou que também tinha um blog, mas que depois que conheceu o Medium (a plataforma onde o Trendr está hospedado), gostou de lá e ficou. Entrou para o Trendr, e à medida que o site ia crescendo ele ia ganhando mais leitores. E leitores de qualidade, porque o Trendr é uma Publicação (como é chamado um blog no Medium) onde se fala de diversos temas e opiniões reflexivos, e que estimulam o debate nos comentários (e uma das coisas mais legais do Medium é o respeito que os usuários têm pela opinião uns dos outros). A sua coluna de cinema é a coluna oficial do site.

Então de janeiro para cá eu vinha publicado as minhas resenhas no Medium, na esperança que desse certo lá, mas já se passaram 7 meses e não deu resultado. Durante esse tempo descobri que tinha outros autores que também estavam publicando as suas resenhas lá. Alguns deles tinham mais recomendações (curtidas) nos seus textos que eu, porque eles tinham mais seguidores. Mas percebi que o sucesso não era a plataforma que trazia, e sim o site em que se publica. Se você é um autor sozinho no Medium, é a mesma coisa que ter um blog comum. Poucas pessoas vão ler seus textos. Mas se você está num site grande, o seu alcance é maior. Isso é bom porque traz visibilidade ao autor.

O que eu ganharia com essa visibilidade? Poderia assistir aos filmes em cabines de imprensa. Vinicius Machado participa dessas sessões. Para quem não sabe, cabines de imprensa é uma sessão de cinema que o estúdio/distribuidora organiza para mostrar o filme completo para a imprensa especializada antes da sua data de estreia. É por isso que os sites conseguem publicar suas críticas na data de estreia do filme. E essas sessões são de graça (!), mas você tem que ganhar um convite. Não é preciso você escrever para um grande veículo de comunicação para ganhar um convite. Você só precisa escrever sobre isso na internet, ter uma boa escrita e uma boa base de leitores e seguidores. Acho que hoje eu não tenho nada disso. Participar de uma cabine de imprensa é o sonho a partir de agora. Você não é o único a participar, tem várias outras pessoas e jornalistas lá também, mas nesse vasto mundo da internet, quando você consegue ser convidado, é como se a distribuidora do filme estivesse lhe dizendo: “nós sabemos que você existe e achamos que suas críticas têm seu lugar e sua importância na internet, por isso estamos lhe convidando”. Querendo ou não é um reconhecimento. Para quem começa na internet, sozinho e com um simples blog, e chegar a isso, representa um grande passo que foi dado. Sem contar com a parte de assistir filmes de graça (porque cinema é caro). Imagino que para quem está estudando Jornalismo ou é recém-formado isso tem um peso ainda maior, para quem sabe um dia escrever para um grande portal ou jornal.

Então resumindo: preciso mudar meu estilo de escrita de resenhas para tentar deixá-las mais breves e não tão pessoal, com o objetivo de ganhar um lugar nas cabines de imprensa, mas para isso também preciso ter conhecimentos. Esse é só um primeiro passo, porque se continuar com o meu blog, provavelmente nada mudará. Mas também tenho que procurar sites ou outros blogs que eu ache bons e que poderia me encaixar lá (e se me aceitarem). É isso. E tudo isso porque resolvi tentar melhorar as coisas e deixar de escrever para mim mesmo (parece até que estou procurando mais trabalho para mim rs), porque senão, poderia continuar tudo do jeito que está, que é um jeito mais simples e menos trabalhoso.

Anúncios
Pensamentos e mudanças no blog de resenhas

Tchau Tumblr! Indo para o WordPress.com

Bem, estou migrando para o Wordpress.com. O motivo é que faz tempo que venho percebendo que aqui no Tumblr não é o local ideal para os meus textos longos, pessoais e de opinião. Me sentia meio deslocado, porque por aqui as pessoas compartilham mais imagens, GIFs, vídeos, citações ou textos pequenos. Alguns textos eu gostaria que as pessoas vissem, principalmente as de opinião, e terminava que aqui esse tipo de conteúdo não é o preferencial do público.

Outra coisa que pesou na minha decisão de mudar de plataforma foi o editor de texto do Tumblr, que não é tão completo. Para mudar a cor ou tamanho da fonte, por exemplo, só por HTML, o que é ruim, porque quando você mexe no HTML e depois volta para o editor comum, a formatação de perde. Eu sofria com isso quando queria incorporar um tweet.

Outro problema do Tumblr é que ele não tem um arquivo de postagens organizado. Aqui é como o Facebook ou Twitter: o que você posta agora fica no lugar do que você postou antes, que se torna coisa velha e ninguém mais verá. Acontece que eu pego links de postagens antigas e coloco em novas como referência a algo que eu já tinha dito, e achar essas postagens antigas é complicado.

E por que WordPress.com e não Blogger? Porque o WordPress é o que mais se aproxima do Tumblr. Ele tem os “tipos” de postagens, que não funcionam de forma tão legal quanto aqui, mas pelo menos ele tem. Lá também é possível, além de seguir outros blogs e ser seguido, curtir uma postagem e reblogar, diferente do Blogger que só permite seguir (e que por lá é uma funcionalidade que quase ninguém usa e já se tornou ultrapassado).

Mas o WordPress.com não é só flores: lá não é possível fazer grandes mudanças na aparência do blog, não é possível desabilitar os comentários para todas as postagens (você só pode fazer isso de postagem em postagem individualmente), e eles colocam anúncios sem você ganhar nada com isso, só porque está usando a versão gratuita. Eu pensei muito nesses contras, mas concluí que a mudança vale a pena porque lá eu vou ter uma estrutura melhor do que a que é oferecida pelo Tumblr e Blogger, e esse tipo de blog é mais comum lá.

Eu adoro o Tumblr, e tomar essa decisão não foi tão fácil assim. Eu gosto do jeito social daqui, da facilidade em escrever e compartilhar algo, do template que eu uso (Optica) e que não consegui achar um igual no WordPress. Coloquei um parecido, mas não é a mesma coisa, e quando vejo o tema que uso nesse Tumblr me dá pena por ter que abandoná-lo. Mas esse é um passo novo que estou dando com o blog, e que é necessário.

Tchau Tumblr! Indo para o WordPress.com

Novo tema!

Depois que eu conheci o Medium, e decidi continuar no Tumblr percebi uma coisa: precisava mudar o tema daqui do Que papo é esse? para deixar a leitura mais confortável.

Antes eu pensava assim: letras grandes só deixam o texto mais longo, o que assusta as pessoas, e faz elas desistirem de ler. Por isso eu preferia usar um tema com letras menores (de tamanho normal).

O tema que eu uso desde que esse blog surgiu é o Single A, como você pode ver na imagem abaixo.

Gostei dele desde a primeira vez que o vi porque ele me lembrava muito um antigo template do Fique Sabendo!, em que é simples, com o fundo branco e detalhes verdes. E gostei dele também porque as letras eram menores, e eu pensava que isso dava a impressão que o texto era menor do que parecia, e quando as pessoas vissem isso leriam sem problemas. Eu me importo com isso, porque, como você já deve ter percebido, os meus textos são longos.

Mas depois do Medium, percebi que era exatamente o contrário. Eu li alguns textos longos com facilidade, e sem me cansar. Os motivos é que o visual de lá é totalmente branco, as letras são grandes e ficam no centro da tela. Isso me fazia me preocupar apenas em ler o atual parágrafo, e quando acabar ele, ler o próximo, e depois o próximo. E quando você menos se dá conta, já leu o post inteiro.

Enquanto isso, aqui, as letras pequenas poderiam desanimar as pessoas de lerem. Letras pequenas e sem serifa requerem maior esforço de leitura, o que cansa mais rápido. E ao ver o tamanho inteiro do texto, você desiste de ler.

Não fazer o leitor desistir de ler o seu texto é um ponto crucial quando ele é longo.

Depois, pesquisando na internet, vi um blog no WordPress com esse mesmo estilo do Medium. Ele não tinha barra lateral e nada. Era só o texto e pronto. Ele dizia que esse é um formato que está sendo cada vez mais usado, e que é bom porque afasta as distrações. E por distrações entenda: a sua barra lateral (sidebar), os seus widgets, ícones, detalhes do próprio template e muitas outras coisas presentes no seu blog que desviam a atenção da postagem.

E depois percebi que o novo layout do site da VEJA está nesse mesmo estilo. Eu não gostava da aparência de antes e era difícil ler alguma notícia inteira lá.

Depois me lembrei que o Clearly e o Feedly, que eu já uso há tanto tempo, também usam esse mesmo modelo.

Parece que cada vez mais blogs e sites estão percebendo essa necessidade de fazer o leitor continuar lendo o texto inteiro com uma aparência limpa e confortável aos olhos, e estão fazendo essa mudança. Por isso também decidi mudar e adotar esse novo estilo. Mas não vou aplicá-los aos meus outros blogs, porque neles as necessidades são outras. Aqui a necessidade é apenas de ser lido.

Peguei o tema Optica, fiz alguns ajustes, e pronto, foi assim que ficou!

O que acharam?

Novo tema!

Tumblr x Medium: semelhanças e diferenças

Semana passada eu conheci o Medium, uma plataforma de blogs bem simples com uma cara de rede social, em que a preocupação é apenas com o conteúdo. Eu achei a ideia de misturar uma plataforma de blogs simples com rede social parecida com o Tumblr, mas lá chega a ser melhor tanto para escrever quanto para ler textos, graças ao seu grande minimalismo, que ajuda a focar apenas no texto.

As grandes diferenças entre Tumblr e Medium é que no Tumblr você tem um blog de verdade. Você tem um endereço, e pode escolher um template (aparência). Lá no Medium não. O link que você tem lá á parecido com o do Twitter, o perfil de todo mundo é igual, com foto, capa, uma descrição, e as postagens logo abaixo. Não dá para personalizar nada.

Isso é ruim quando você realmente quer ter um blog para organizar as postagens, e bom quando você só quer postar e pronto. O editor de textos de lá é simples e ao mesmo tempo completo. Lá ele tem alguns recursos simples que aqui no Tumblr não tem e eu sinto falta, como poder centralizar o texto e imagem, e colocar legendas nas imagens.

Mas o que mais me chamou atenção lá é a experiência com a leitura. Eu li alguns textos grandes e nem me dei conta, mesmo ele dizendo a você quanto tempo demora (em média) para ler aquele texto. Depois percebi o motivo disso: ele tem uma aparência super minimalista, em que o fundo é todo branco, as letras são todas pretas, de uma fonte só e um tamanho só. São letras grandes, com serifa e bem confortáveis de ler.

Escrever lá também é muito bom porque a aparência do editor de textos é exatamente a mesma da página de postagem.

Pensei durante alguns dias sobre migrar para lá, mas depois decidi ficar aqui no Tumblr, por aquele motivo que falei mais acima: aqui é um blog, lá não. E eu quero ter as minhas postagens organizadas, colocar tags, poder achá-las quando quiser. Eu quero ter um endereço e poder personalizar o visual, mesmo que seja só um pouquinho.

Só depois de ter conhecido o Medium foi que entendi porque o Tumblr fez mudanças no editor de textos, que ficou um pouco parecido, sem uma barra de ferramentas fixa e com um “+” aparecendo para adicionar algo. Mas ainda estão longe de alcançá-los. Lá é bem mais fácil incorporar um tweet, mesmo não tendo uma aba para editar HTML. E como já disse, lá dá para colocar legendas em imagens, e textos centralizados facilmente, enquanto aqui no Tumblr você tem que ir no HTML para tudo, o que não é legal.

Espero que o Tumblr não fique parado e faça mudanças para melhorar. Se todo mundo descobrir e passar a gostar do Medium e de sua proposta, o serviço poderá perder muitos usuários.

Tumblr x Medium: semelhanças e diferenças

Um blog pessoal (3): O refúgio do blog

Quando eu estava no Ensino Médio o que mais gostava de fazer na internet era ler sobre tecnologia. Eu tinha um colega na escola que era inteligente nessas coisas de computador, mas não se interessava por notícias de tecnologia como eu. Eu também falava sobre programas e suas versões, quando ele me sugeriu: “tu devia criar um blog sobre programas”. Eu gostei da ideia e então nasceu o Fique Sabendo!. De lá para cá ele já sofreu várias mudanças nos conteúdos abordados, mas continua tendo atualizações.

Foi nesse momento de criação do Fique Sabendo! que eu percebi que as pessoas não gostavam de conversar sobre tecnologia. É muito difícil achar alguém que goste dessas coisas tanto quanto você. E no blog foi o local que eu achei para falar sobre as coisas que eu gosto e onde encontrei outras pessoas que gostam dessas coisas tanto quanto eu. O interessante é que quando o blog é pequeno você faz parcerias, e um blogueiro visita o outro, você conhece novas pessoas, se identifica com elas. É muito bom.

Agora, 4 anos depois, criei um blog para postar sobre filmes e livros, porque agora também estou muito interessado por essa área. Todo mundo vai pro cinema, assiste filmes, mas depois não ficam conversando e trocando ideias sobre eles. Todo mundo vai assistir filmes de super-heróis, mas não ficam discutindo o motivo de um personagem ter feito isso ou aquilo, e as possibilidades pro futuro em outros filmes. Essas características de pessoas nerds e geeks foi o que me fizeram criar um blog onde eu possa falar sobre elas.

E tem o Que papo é esse? que é o local onde eu posto as coisas da vida, minhas opiniões e pensamentos. Nem sempre sou entendido e compreendido pelas pessoas. Às vezes não vale a pena dizer a minha opinião e pensamento sobre algo, porque as pessoas não vão entender, vão criticar, ou vão querer impor a sua opinião. E então eu venho aqui e publico tudo isso, porque aqui é o local onde apenas eu falo e ninguém fala. E mais uma vez me refugio num blog, um leal local onde eu posso compartilhar as minhas ideias e encontrar pessoas que gostem das mesmas coisas que eu.

Um blog pessoal (3): O refúgio do blog

Vivendo e reaprendendo

A vida é um eterno aprendizado, mas chega um momento que você acha que já sabe de tudo e quer que as coisas andem mais rápido quando vai tentar fazer a mesma coisa que você já fez um dia.

Um exemplo disso é o que está acontecendo comigo, com o meu blog Mundo Geek: segui o conselho de dois grandes blogueiros e deixei de postar resenhas de livros e filmes no Fique Sabendo!. Um dos blogueiros me disse que se as postagens tinham sucesso num blog, elas também teriam em outro. Eu pensei que isso fazia sentido porque a maior parte das minhas visitas (para as resenhas) vinha de redes sociais. O problema é: no começo das resenhas, ainda no antigo blog, eu não divulgava em algumas redes sociais que eu divulgo hoje, e quando eu não divulgo nelas a diferença de visitas é muito grande. Antes não tinham essas redes sociais e eu conseguia um número razoável de visitas, que hoje é um sacrifício para conseguir se eu não divulgar o link nelas.

É aí que tá: quando comecei a postar as resenhas no Fique Sabendo! pensei em aumentar o público. E como eu já tinha um público estabelecido, muitos seguidores, e visitantes diários, as pessoas liam as minhas resenhas por lá. Agora que estou começando um blog do zero é que estou sentido como é difícil esse começo. Já tava esquecido como é que era. É ruim quando você tem um blog com boas visitas mensais e cria outro, e vê os números tão baixos. Você fica acostumado com os grandes números, e fica impaciente e desanimado com os números baixos do novo blog.

O meu caso é um blog, mas isso acontece na vida das pessoas, como a quantidade de vendas caindo na empresa, ou o vendedor que já não vende tão bem quanto vendia antes, ou o salário que abaixou por causa de uma mudança de emprego, etc.

Voltando aos blogs, essa mudança parece ter sido a coisa certa a ser feita. Um dos autores do outro blog disse que ficou mais organizado assim. Ele disse que gostava das resenhas, mas ficava bagunçado porque um assunto não tinha nada a ver com o outro.

Eu só espero conseguir fazer esse blog crescer e fazê-lo se tornar conhecido, com um público fidelizado. Vai ser difícil, eu sei. Agora eu me lembrei que os resultados de um blog só chegam à longo prazo, então paciência.

Enquanto isso vou fazer a mesma coisa que eu fazia no começo do Fique Sabendo!: parcerias com outros blogs. Para um blog que está no início é uma grande ajuda. Tem também os agregadores, mas é difícil ter um link aprovado, principalmente porque no caso do Mundo Geek só são resenhas e opiniões, não tem notícia.

E é isso aí! É vivendo e aprendendo, ou vivendo e reaprendendo.

Vivendo e reaprendendo

Um blog só para resenhas

Ok, eu falei anteriormente aqui que não criaria um blog só para postar as minhas resenhas de livros e filmes, e que as minhas opiniões sobre quadrinhos poderiam ser postadas aqui mesmo. Mas depois fui pesquisar mais sobre blog de nicho. Essa dúvida de criar um blog só para resenhas permeava na minha cabeça, e depois eu me lembrei que há muito tempo, quando eu costumava ler metablogs, eu li recomendações dos grandes blogueiros que o ideal era ter um blog de nicho porque se o público for segmentado será mais fiel ao blog, e também porque dá para ter maiores ganhos com ele. Então perguntei a dois blogueiros sobre a minha situação, e ambos recomendaram que eu separasse os assuntos.

Eles são mais experientes e têm mais conhecimento que eu. Então fiz o que eles disseram e criei um blog só para eu postar as resenhas de filmes e livros. As postagens já publicadas no Fique Sabendo! agora estão redirecionando para o novo blog, chamado Mundo Geek (sim, porque só quem lê e escreve resenhas e filmes e livros são nerds ou geeks. E ainda tem os quadrinhos para completar o pacote).

Atualização: inicialmente o nome do blog era “Mundo Nerd”, mas então eu fui fazer aquela pesquisa que eu já estava para fazer e sempre me esquecia: a diferença de nerd e geek. Percebi que os assuntos do blog tinham tudo a ver com geek e nada a ver com nerd, então mudei o seu nome.

Eu demorei para achar um template bonito, porque estava procurando no Btemplates, em que todos os templates parecem ter alguma característica em comum, como os títulos as postagens, títulos dos widgets da sidebar e a forma do botão “Read more”. Até que eu me lembrei do site do template do Fique Sabendo! e fui dar uma olhada lá. Então achei m lindo template azul que estou usando no Mundo Geek. Fiz alguns ajustes e pronto. É tão bonito que chega me dá orgulho (como se fosse eu que tivesse feito kkkkk). Só o template já paga todo o trabalho que eu tive na criação do blog, na organização de seu layout e na migração de postagens.

E pronto, agora está feito. Espero que dê resultados bons, aliás foi para isso que eu criei ele. Depois vou falar por aqui se teve mesmo algum efeito.

Atualização: demorou uns 6 meses para que as visitas fossem as mesmas do Fique Sabendo! (que já não eram grande coisa), e com muita divulgação, coisa que não precisava fazer lá. Mas no fim de tudo valeu a pena essa mudança, porque hoje eu falo de quadrinhos e séries, e às vezes faço outras postagens que não são resenhas, e que não ficariam tão bem no Fique Sabendo!. Como esse é um blog de assuntos mais específicos me sinto mais à vontade para expandir os assuntos sem deixar o blog bagunçado, como aconteceria se fosse no FS!.

As postagens sobre quadrinhos que eu publiquei aqui serão excluídas porque as passarei para lá.

Em compensação vou começar a falar mais livremente de TV por aqui. Eu tinha um Tumblr próprio para isso, mas eu quase não tinha mais opinião para colocar nele, então decidi encerrá-lo. Agora, qualquer opinião de TV que eu tiver (que já não é mais frequente como era antes) vou postar aqui no Que papo é esse?, que é o espaço onde eu me sinto à vontade para falar o que me der na telha.

Um blog só para resenhas